Coito programado: conheças as etapas da técnica - Art Medicina Reprodutiva
Clínica Art Medicina Reprodutiva
Pré-agendar consulta
Coito programado: conheças as etapas da técnica

Coito programado: conheças as etapas da técnica

O coito programado é uma das três técnicas de reprodução assistida utilizadas para auxiliar aqueles que estão com dificuldade para engravidar. Essa técnica consiste, resumidamente, na orientação médica sobre o melhor momento para o casal ter a relação sexual em casa e aumentar a possibilidade de gravidez.

Para tal, realiza-se o acompanhamento do ciclo menstrual da parceira por uma série de ultrassonografias transvaginais.

A técnica permite que, assim como em uma gestação natural, a fecundação ocorra nas tubas uterinas. E, portanto, é classificada como uma técnica de reprodução assistida de baixa complexidade.

A inseminação intrauterina (IIU) ou inseminação artificial (IA) é outra técnica de baixa complexidade. A diferença entre ambas é que o sêmen é previamente processado para seleção dos melhores espermatozoides e posteriormente, durante o período ovulatório, introduzido na cavidade uterina da mulher com auxílio médico.

A terceira técnica de reprodução assistida é chamada de fertilização in vitro (FIV) que, diferentemente das anteriores, é classificada como de alta complexidade. O encontro dos gametas ocorre fora do corpo da mulher, exigindo uma estrutura laboratorial para desenvolver o procedimento.

Mas é importante salientar que cada técnica possui indicações específicas, baseadas em diferentes critérios e protocolos, e que não se tratam de diferentes etapas de um mesmo processo.

Portanto, não é comum que um mesmo casal ou pessoa realize todas as técnicas anteriormente citadas. Isso acontece apenas em algumas situações específicas, como por exemplo, o insucesso no tratamento com uma das técnicas de baixa complexidade, que leva à indicação da FIV para aumentar as chances de gravidez.

Aqui, você encontrará todas as informações necessárias sobre como realizar o coito programado. Leia abaixo:

Coito programado ou relação sexual programada (RSP)

Também conhecido como relação sexual programada (RSP) ou “namoro programado”, o coito programado é considerado a técnica de reprodução assistida mais simples disponível atualmente.

Com o acompanhamento do ciclo menstrual e o uso de medicamentos para estímulo da ovulação, o médico é capaz determinar com maior precisão o período fértil da mulher e orientar o casal a ter relações sexuais no intervalo de tempo correspondente.

A probabilidade de fertilização do óvulo é otimizada e há um aumento nas chances de efetivação da concepção.

O coito programado foi desenvolvido inicialmente nos anos 1960 e encontra-se disponível no Brasil desde a década de 1970. Desde então, com a contínua evolução da medicina, observa-se um aumento nas taxas de gestações bem-sucedidas associadas a essa técnica.

Etapas do processo

O primeiro passo é agendar uma consulta com um especialista para um levantamento dos exames necessários. É preciso saber se a pessoa está apta ou não para fazer o tratamento.

Podem ser exigidos, os exames hormonais, laboratoriais, espermograma (avaliação do sêmen), histerossalpingografia (avaliação das tubas uterinas) e ultrassonografia transvaginal (avaliação de ovários e útero).

Depois de feitos, se o médico concluir que a pessoa está apta, inicia-se o tratamento no primeiro dia do ciclo menstrual e da menstruação, sendo necessária uma consulta médica entre o primeiro e o terceiro dia do ciclo.

Caso a pessoa não menstrue naturalmente, não há com o que se preocupar: é possível induzir a menstruação por medicamentos!

Nessa consulta, será realizada uma nova ultrassonografia para avaliar os ovários – visando, também, detectar algum cisto que possa dificultar a indução da ovulação – e a contagem de folículos antrais. Se tudo estiver conforme o esperado, a medicação para indução do desenvolvimento de folículos ovarianos é iniciada.

A partir deste ponto, inicia-se o acompanhamento através da ultrassonografia transvaginal seriada, em diferentes dias, onde se avalia se o medicamento está agindo corretamente. Conjuntamente, observam-se quantos folículos estão se desenvolvendo e se ocorre de acordo com o previsto.

Mesmo com a administração correta da medicação, existe a possibilidade de a ovulação não ocorrer. Então, pela ultrassonografia, o médico deve confirmar se houve ou não a ovulação.

Em caso positivo, inicia-se a orientação. Nessa etapa, o médico irá apresentar ao casal os dias mais férteis daquele ciclo, instruindo-os a ter relações sexuais nesse período específico.

Por fim, para confirmação da gravidez, deve se realizar um teste de gravidez convencional ou exame de sangue de Beta HCG cerca de 15 dias após as relações sexuais orientadas.

Indicações do tratamento

O tratamento por coito programado é indicado para:

Taxas de Sucesso

O coito programado possui taxa de sucesso semelhante à da gestação natural: aproximadamente 20% a cada ciclo menstrual.

Porém, pode sofrer alterações em decorrência de condições como: a eficácia na ação do medicamento, a presença de doenças, a idade da mulher, tempo de infertilidade e até mesmo a ansiedade do casal.

Em casos mais raros, o uso de medicamentos hormonais pode causar a síndrome de hiperestimulação ovariana (SHO) que, se não for acompanhada e tratada, pode provocar a perda do bebê.

Orienta-se ainda que, além de realizar acompanhamentos periódicos com um médico, a paciente adote hábitos mais saudáveis, como práticas de exercícios físicos e cuidados com a alimentação.

Para ler mais sobre o assunto, confira o post.

Agradecemos a sua leitura, aproveite e compartilhe
com seus amigos esse texto:
Ficou com dúvidas ou gostou do conteúdo?
Deixe o seu comentário abaixo:

© 2021 ART MEDICINA S.A CNPJ: 17.109.145/0001-28. Todos os direitos reservados.
O conteúdo deste site foi elaborado pela equipe da Clínica Art Medicina e as informações aqui contidas tem caráter meramente informativo e educacional. Não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico ou automedicação. Em caso de dúvidas, consulte seu médico, somente ele está habilitado a praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina. Todas imagens contidas no site são meramente ilustrativas e foram compradas em banco de imagens, não envolvendo imagens de pacientes.
Diretor Técnico: Marcelo Giacobbe - CRM 62588